sábado, 24 de março de 2012

escreverei, com uma ortografia correta e organizada, tudo o que queria dizer-te, sem tu saberes. é como uma carta dedicatória, sem qualquer ponto de início, ou fim, porque há triliões de coisas que te quero dizer, mas que não estou preparada nem psicologicamente mentalizada para te as dizer, mas se, neste momento pudesse falar-te abertamente, diria:


'por mais tempo que passe, nada conseguirá substituir aquilo que tu, foste para mim. embora não me desejes neste momento, continuarei a sorrir, e a tentar mostrar o quanto não me importam as tuas decisões, atitudes e costumes de fazer as coisas. há vários dias que me encontro neste estado de melancolia e monotonia sem saber o que fazer. de cada vez que me olhas, é como se eu congela-se e não conseguisse pensar em mais nada. por mais tentativas, a tua imagem, invade a minha cabeça de uma maneira avassaladora e completamente destrutiva. leva os meus pensamentos, ideias, movimentos e leva-me, a maneira racional de ver as coisas, a maneira racional de agir. tornei-me quase que um monstro, pois fiz sofrer pessoas à custa das tuas decisões. o meu amor por ti, era visível, e neste momento, tornou-se invisível, pelo menos aos teus olhos, mas o meu coração, continua a sofrer, mas desta vez, é sem tu dares conta.'

Sem comentários:

Enviar um comentário